CÂMARA MUNICIPAL DE Iomere - SC

Câmara de Iomerê repassa recursos à Prefeitura para elaboração de projeto de revitalização da Praça Central

16/08/2017- Os parlamentares iomerenses se reuniram na noite de terça-feira (15) para uma sessão ordinária e uma extraordinária. Em dois turnos os vereadores aprovaram o Projeto de Lei nº 891, que abre crédito suplementar de R$ 25.687,00 para serem aplicados na elaboração de um projeto de revitalização da Praça Central de Iomerê, já que a Justiça liberou a realização de melhorias no local, mesmo ainda não tendo encerrado o processo que apura irregularidades na construção do espaço na gestão 2009/2012.

O presidente da Câmara, vereador Marcio Santini (PMDB) explica que os recursos aprovados pelo projeto serão retirados da dotação da Câmara para serem repassados à Prefeitura. Destaca ainda que o dinheiro poderá ser aplicado na elaboração do projeto de revitalização da praça e em outras obras de infraestrutura urbana. Os vereadores se reuniram e entenderam que, neste momento, os recursos que eram destinados à construção da sede própria da Câmara poderiam ser repassados à Prefeitura para ajudar a solucionar essa questão da praça que, por ordem judicial, já está sem manutenção há mais de quatro anos. Conversamos com o prefeito e os parlamentares vão participar diretamente na discussão para aplicação desses recursos, tudo visando o bem estar da nossa comunidade, complementou Santini.

Vereadores de Iomerê apresentam Moção de Parabéns à alunos e organizadores da 9ª Mostra Regional do Conhecimento

Durante sessão ordinária na terça-feira (15), os nove parlamentares iomerenses apresentaram de forma conjunta uma Moção de Parabéns aos alunos locais que participaram da 9ª Mostra Regional do Conhecimento realizada na última sexta-feira (11), em Iomerê. O documento também parabenizou a 9ª ADR, através da Gerência Regional de Educação e a Prefeitura Municipal de Iomerê por meio da Secretaria de Educação, Cultura, Esportes e Turismo que organizaram o evento que atraiu mais de dois mil visitantes.

Na Moção, os vereadores parabenizaram de modo especial as alunas Giovana Emanuelle Gelain e Sibele Flores, do 6º ano do Centro Educacional Municipal de Iomerê. O projeto delas intitulado Um olhar da Simetria: Arte e Geometria, orientado pela professora Sabrina Pesin se classificou para representar o município na 33ª Feira Catarinense de Matemática, que acontecerá em Criciúma de 27 a 29 de setembro. Além disso, os vereadores registraram os parabéns aos seguintes projetos também apresentados por alunos iomerenses:

Projeto Desmistificando o Teorema de Pitágoras, das alunas do 9º ano fundamental Ester Paganini e Isadora Peretti e orientação do professor César Dacol; Projeto Medindo e pesando lá na roça, das alunas do 6º ano fundamental Pamela Rosa dos Santos e Elen Quaiotto e orientação do professor César Dacol; Projeto Cronobiologia efeitos do sono na memorização dos alunos 2º ano ensino médio Augusto Ebeling e Priscila Legnani e orientação da professora Cristiane Carinhato; Projeto Hidronitro, dos alunos do 3º ano do ensino médio Davy Pastore e Kelly Julia Zanon e orientação da professora Elizabeth Rech; Projeto Características Genéticas, dos alunos do 3º ano do ensino médio Lucas Ansiliero e Eduarda Locatelli, e orientação da professora Elizabeth Rech e; Projeto Olericultura Automatizada, dos alunos da 3ª série do Ensino Médio Igor Pagno e Willian Rigo, orientados pela professora Elizabeth Rech.

Devalieri indica equipamentos de proteção ao agricultores e apresenta repúdio ao Estatuto do Desarmamento

Disponibilizar máscaras de proteção aos agricultores e realizar campanhas de conscientização sobre a importância do uso desse equipamento. Esse é o teor da indicação apresentada pelo vereador Jacir Devalieri (PSD), durante a sessão ordinária de terça-feira (15), na Câmara de Vereadores de Iomerê. Segundo ele o pedido visa agir de forma preventiva, já que os agricultores trabalham constantemente expostos e em contado direto com diversos agentes prejudiciais a saúde.

Ainda durante a sessão, Devalieri apresentou uma Moção de Protesto em repúdio ao chamado Estatuto do Desarmamento, Lei nº 10.826/2003, a qual dispõe sobre registro, posse e comercialização de armas de fogo e munição no Brasil. Segundo o documento aprovado elos vereadores, apesar do Estatuto do Desarmamento ser aprovado com o objetivo de reduzir a violência com armas de fogo no país, os dados divulgados atestam que a violência não vem diminuindo, mas pelo contrário, vem aumentando assustadoramente a cada ano, a ponto do Brasil ser considerado um dos países mais violentos do mundo. Por outro lado, a população civil além de observar um total descaso por parte do Estado no que se refere aos serviços de segurança pública, ainda é impedida de utilizar os mais básicos direitos de defesa, como, por exemplo, o uso de armas de fogo para defesa pessoal.

Ele explica ainda que tal constatação é evidente pelo fato do Estatuto do Desarmamento ter criado uma burocracia gigantesca para o registro de armas, elevando também os custos financeiros para tanto, o que praticamente inviabiliza o acesso às armas por parte da população civil. Tal irracionalidade se aplica até mesmo para aqueles que necessitam de armas para uso recreativo, como competidores, colecionadores etc. Além disso, outro efeito perverso do Estatuto do Desarmamento é jogar na ilegalidade pessoas sem qualquer conduta criminosa, mas que acabam sendo tratados como tal em virtude das absurdas disposições contidas na lei. Infelizmente, tornou-se comum agricultores, colecionadores e demais pessoas serem detidas pelo simples fato de possuírem armas em suas casas, quando na verdade tal ato não passa de mera conduta cultural, sem qualquer intenção delitiva.

O vereador ainda relata que no ano de 2005 a população brasileira foi consultada, através de referendo, sobre a proibição da venda de arma de fogo e munição em todo o território nacional, sendo que a opção não venceu com 63,94% dos votos, ou seja, mesmo que evidente o resultado da votação, as disposições contidas no Estatuto do Desarmamento continuam a desrespeitar de fato a vontade popular. Cabe destacar que o acesso às armas se configura, em muitos países, como um direito elementar à defesa, não somente em relação à vida ou patrimônio do indivíduo, mas até mesmo para proteção de eventuais abusos cometidos por parte dos governantes no uso da máquina estatal, sendo esta a razão principal pela qual muitos governos autoritários tratam de limitar quando chegam ao poder. Portanto, registro esta Moção de Protesto, a qual opina pela imediata revogação da lei e pela modernização das questões relacionadas à aquisição e porte de armas de fogo e munição no Brasil.

Sessão Iomerê 15-08 (1)

Silvia Palma

Assessoria de Imprensa

Publicado em: 31/08/2017
Acessos: 91
Publicado por: Mayara Munaro
Facebook Twitter Google+ Addthis